Conheça o programa

Voluntariado na CPFL

Acreditamos que voluntariado é fazer o melhor usando o que temos ou somos como ferramenta para promover o bem estar das pessoas que precisam. Conjuntamente ou individualmente, compartilhar solidariedade através do nosso talento, conhecimento, disponibilidade e vontade.

O Programa foi essencialmente estruturado para facilitar a atuação voluntária dos colaboradores, alinhar as ações e promover desenvolvimento de todos os públicos envolvidos, interna e externamente.

O principal objetivo do Programa é disseminar a cultura de voluntariado, criando um movimento participativo que engaje os colaboradores e parceiros em ações sociais capazes de transformar a realidade das comunidades onde o Grupo CPFL Energia atua.


  1. Objetivos e alinhamentos dessa política 


Essa política define o enquadramento estratégico e as regras de operação do programa de voluntariado da CPFL (Programa Voluntários CPFL). Ela regula os deveres e direitos dos colaboradores voluntários, e fornece informações práticas tais quais a cessão de horas voluntárias, o público-alvo e as suas formas de atuação. A política regula ainda a governança do voluntariado dentro das áreas da empresa, as responsabilidades dos gestores, com o objetivo de ser guardiã da sua melhor direção, e do exercício da cidadania dentro e fora da Instituição. 


Essa política está alinhada aos seguintes documentos: 


  1. Diretrizes do Programa de Semear


  • Integrar e unir forças para gerar impacto social positivo e transformar vidas; 
  • Gerar valor social, envolvendo colaboradores e suas redes locais para que sejam agentes de cidadania e apoio comunitário; 
  • Promover o desenvolvimento socioambiental  nas regiões em que está presente;
  • Espelhar a cultura interna, a estratégia da empresa e a trajetória de impacto social do programa.



  1. Objetivos do Programa Semear 


  • Criar legado positivo de integração e transparência junto às Instituições e Comunidades onde estamos presentes; 
  • Incentivar as lideranças, colaboradores e toda a rede de relacionamentos a: 


  1. Entender o seu papel na sociedade; 
  2. Conhecer melhor outras realidades sociais;
  3. Tornar-se um agente de transformação, em termos de cidadania e melhoria das condições socioambientais nas comunidades, em contribuição à estratégia CPFL.


  1. Público-alvo do programa de voluntariado (Beneficiários)


  • Instituições alinhadas à estratégia e/ou aos negócios da CPFL;
  • Comunidades do entorno (pessoas e entidades), ou seja,  que sejam circunvizinhas às unidades de negócios das empresas do Grupo  CPFL  (tanto operação, como as áreas administrativas);   



  1. Áreas de atuação 


  • Esporte, lazer e cultura.
  • Educação; 
  • Meio Ambiente;
  • Saúde e qualidade de vida;
  • Diversidade;


  1. Tipos de atuação 


  • Ações de filantropia e atividades pontuais, como campanhas de arrecadação de itens, reformas em instituições sociais, doações de materiais etc;


  • Projetos estruturantes que proponham atividades de longo prazo e que busquem a transformação social, como capacitações técnicas, mentorias, fomento à economia solidária, à sustentabilidade financeira, dentre outras.


Modalidades de ação:  Presenciais e online 


  1. Projetos do Programa



    1. Com apoio financeiro
  • Capacitação para Instituições apoiadas por até 2 anos, por 10 (dez) equipes locais da CPFL. Será alocada uma Instituição por equipe, e cada uma delas receberá o aporte anual de R$ 15.000,00 (quinze mil reais) e uma capacitação que trabalhará junto com a liderança e voluntários dentro das ongs, para uma gestão mais eficiente, com melhor aproveitamento de oportunidades, e captação de recursos para o fortalecimento da instituição e sua equipe com estratégias sustentáveis e de longo prazo. Desta maneira nossos colaboradores voluntários serão os agentes da transformação social dentro das comunidades em que o Grupo CPFL atua, deixando um legado nas instituições onde nosso programa de voluntariado passar. 

Estas Instituições participantes da capacitação serão avaliadas anualmente para prosseguimento da parceria/apoio, e serão elegíveis à extensão do prazo de acompanhamento (se necessário). 

Há ainda o desejo de progredirmos até 2025 o número de instituições para até 25 (vinte e cinco), desde que haja equipes locais para a implantação do acompanhamento e desenvolvimento das ações.


Esta modalidade conta com o investimento financeiro do programa que deve ser aprovado pela gestão do programa, e acompanhado e comprovado pelas equipes.




    1. Sem apoio financeiro
  • Dia de Semear: Dia único dedicado a celebrar o programa, os voluntários, as entidades, os atendidos, incentivando e abrindo para a participação de todos os colaboradores Grupo CPFL.
  • Outros projetos: Há a possibilidade de integrar ações voluntárias com outros projetos do grupo (ex: Jovem Aprendiz) ou com os parceiros dos projetos apoiados pelo Instituto CPFL (ex: contação de histórias com o Griots)



  1. O conceito de voluntariado   


Voluntário é aquele que presta serviços não remunerados em benefício do outro, doando seu tempo e conhecimentos. 

Voluntariado corporativo é a prática em que os esforços voluntários individuais são potencializados com a parceria da instituição promotora, que cede horas, conhecimentos e recursos subsidiários à ação solidária. 


De acordo com a Lei do Serviço Voluntário no Brasil, Lei Nº 9.608, de 18 de fevereiro DE 1998, no Art. 1o 


Considera-se serviço voluntário, para os fins desta Lei, a atividade não remunerada prestada por pessoa física a entidade pública de qualquer natureza ou a instituição privada de fins não lucrativos que tenha objetivos cívicos, culturais, educacionais, científicos, recreativos ou de assistência à pessoa.  Parágrafo único. O serviço voluntário não gera vínculo empregatício, nem obrigação de natureza trabalhista previdenciária ou afim”.



  1. Princípios 


Os voluntários do Programa são orientados pelos seguintes princípios: 


  1. Dignidade: A decência e o respeito aos outros são cultivados em todas as ações. 
  2. Integridade: Mantém conduta honesta e coerente. 
  3. Liberdade: Têm espontaneidade para participar e agir. Porém com a responsabilidade do cumprimento dos compromissos assumidos e alinhados às diretrizes e objetivos do programa.
  4. Justiça: Lutam pelo tratamento igual, imparcial e isento de interesses particulares, favorecendo relações saudáveis e harmônicas.
  5. Foco nos resultados: Periodicamente avaliam as ações e o impacto gerado e mantém o esforço para ampliar a transformação. 
  6. Trabalho em equipe: Cooperam e agem em conjunto, minimizando os conflitos e maximizando a troca de informações, promovendo o aproveitamento do talento de todos em busca de um resultado comum. Agem com confiança, acreditando no potencial de transformação do grupo e cultivam relações de parceria com os colegas na certeza de que a complementaridade gera maiores resultados. 
  7. Inovação e Criatividade: Buscam alternativas inovadoras e criativas para promover mudanças na sociedade em sinergia com os objetivos do programa.
  8. Diálogo: Reforçam a comunicação com todas as partes, reconhecem a importância de ouvir e dialogar com a comunidade, com os colegas e com a organização. 
  9. Transparência: A plena ciência da gestão do programa, voluntários e demais envolvidos nele, sobre as regras, os processos, objetivos e execução do programa, garantindo então a coerência dessa política aqui estabelecida, com valores da CPFL, e com a ética.



  1. Valores do voluntariado CPFL 


O primeiro passo para ser um voluntário participante do Programa Semear é estar disposto a contribuir, de forma espontânea, comprometida e não remunerada à causa social. 


A empresa entende que, a partir dessa vontade e vocação para o trabalho voluntário, cabe ao empregado agir com: 


  • honestidade;
  • comprometimento e responsabilidade; 
  • transparência; 
  • confiança; 
  • respeito pelo próximo e imparcialidade, evitando situações em que possa ocorrer conflito de interesses no desenvolvimento das atividades do Programa. 
  • segurança 
  • inovação
  • excelência



Direitos e Deveres dos voluntários 


  1. Direitos 


Sobre horas de trabalho

  • Colaboradores voluntários deverão dar preferência para execução da atuação   voluntária fora do horário de trabalho e poderão, quando necessário, negociar com seus gestores imediatos a liberação das horas necessárias, e estas serão consideradas de acordo com as demandas de trabalho e outros fatores organizacionais, a critério do gestor



Suporte Técnico e financeiro 

  • Receber orientação e formação de como atuar e suporte técnico para capacitação de comitês locais de voluntariado para atuação direta com a sociedade.
  • Acessar os meios necessários para a ação (online ou presenciais). 
  • Apenas as equipes de voluntariado atuarão com uma verba pré-definida para proporem projetos para 1 (uma) Instituição definida em parceria com os colaboradores e a CPFL. Os projetos devem ser previamente aprovados pela gestão do programa, 
  • Além disso há no cardápio mínimo de ações de voluntariado nas Instituições (ONGs) que podem receber subsídio, a saber: Páscoa, Ação de Inverno, Dia de Semear e Campanha de Natal.



  1. Deveres


Cadastro e termo de adesão 

  • Cadastrar-se como voluntário no Portal Semear, aceitando os termos de uso do portal e assinando eletronicamente o Termo de Adesão ao Trabalho Voluntário. 


Compromisso ético de acordo com as normas do Código de Ética e Conduta. 

  • Respeitar todas as crenças e diversidades culturais, repudiando qualquer tipo de assédio ou discriminação;
  • Não realizar ações de voluntariado que possuam cunho religioso ou político-partidário; 
  • Compromisso com os colegas e com o público beneficiário;
  • Os funcionários da CPFL são responsáveis por comunicar os valores e procedimentos expressos nesta política aos demais públicos que convida para a rede de voluntariado. 
  • O direito de imagem e propriedade intelectual deve ser preservado em todas as ações realizadas, e principalmente nos casos de menores de idade. Em respeito às crianças atendidas em nosso projeto, e visando protegê-las, a CPFL não autoriza que nenhum administrador, voluntário, líder ou convidado publique fotos ou solicite dados sensíveis de menores de idade nesta plataforma ou nenhuma das demais redes sociais. Dados sensíveis são dados sobre origem racial, étnica, convicção religiosa, opinião política, filiação a sindicato ou a organização de caráter religioso, filosófico ou político, dado referente à saúde ou à vida sexual, dado genético ou biométrico, quando vinculado a uma pessoa natural (Art. 5º da Lei 13.709/18).



Saúde e segurança 

  • Observar os aspectos de segurança e saúde necessários para o desenvolvimento das atividades voluntárias, tendo em vista os locais de atuação.


Relação com o poder público e outras parcerias 

  • Não aceitar solicitações de recursos ou solicitar recursos ao poder público.
  • Limitar-se a falar publicamente apenas sobre a atividade voluntária realizada. Não é permitido falar publicamente em nome da empresa ou do Programa, salvo com autorização expressa da área de Comunicação Externa. 


Planejamento e execução responsável 

  • Planejar as ações, executar orçamento e reportar resultados seguindo um modelo padrão para tal. 
  • Preservar e proteger equipamentos, instalações e materiais eventualmente utilizados para a realização das atividades voluntárias. 


Seguir essa política e as relacionadas.

  • Respeitar a Política de Voluntariado Corporativo da CPFL e todos os demais documentos normativos do Programa. 



Regras gerais: 


  • A participação dos voluntários no programa, sejam eles funcionários ou não, é totalmente voluntária, desassociada das atividades laborais, não gera direitos trabalhistas ou previdenciários, nem qualquer vantagem para o voluntário, tais como pré-requisito para promoção, desenvolvimento profissional, contratação ou ligação com a CPFL.
  • CPFL não usará o Programa de Voluntários da CPFL para gestão de impacto socioeconômico de seus empreendimentos junto às comunidades, nem fará qualquer imposição a seus funcionários, prestadores de serviço, fornecedores e clientes para participar do programa.
  • Não é permitida a participação no Programa Voluntários CPFL de pessoas que possuam cargos públicos ou que sejam candidatas a esses cargos.
  • Participantes do Programa não poderão constituir organizações sociais, organizações da sociedade civil ou institutos com o nome da CPFL ou do Programa Semear, bem como  com o objetivo de ser beneficiado pelas ações do Programa.
  • O Programa possui uma identidade visual única definida pela CPFL que deve ser respeitada tanto nos materiais digitais ou gráficos de divulgação quanto na atuação presencial. Ex: Sempre que possível, usar nas Instituições a camiseta do projeto ou boné, para que saibam que se trata de um projeto de voluntariado corporativo, distinguindo nossos voluntários de terceiros.



Gestão e governança 


  1. Responsabilidades das lideranças 

São responsabilidades dos gestores e líderes da CPFL para com o programa de voluntariado:


  1. Suporte ao voluntário: Garantir dentro das possibilidades as capacitações necessárias para o desenvolvimento do Programa. Apoiando ativamente e publicamente a sua ação e o tempo que dedica ao voluntariado.
  2. Recursos: Disponibilizar itens para doação nos momentos de substituição de equipamentos e outros materiais ou caso não sejam mais usados, consideradas as normas internas de patrimônio. 
  3. Apoio institucional: Disponibilizar as ferramentas e recursos institucionais das diversas áreas da CPFL, como canais de comunicação e outras ferramentas institucionais. 


  1. Papéis na gestão do Programa 


  1. Coordenação do programa: O Instituto CPFL que é responsável por toda a gestão do programa de voluntariado:


  • Garantir junto aos gestores locais o apoio para a execução da política;
  • Fornecer material e suporte institucional para as campanhas institucionais;
  • Direcionar e empoderar as equipes, conduzir uma gestão macro e realizar avaliação periódica do programa;
  • Fomentar e garantir a comunicação do programa; 
  • Formar os voluntários: para uso do portal e, para planejamento e execução das ações;
  • Participar de uma agenda local de qualificação das ações, inclusive um encontro em conjunto para o planejamento anual. 


  1. Áreas parceiras: 
  2. Comunicação e marketing; 
  3. Lideranças (chefias) regionais;   
  4. RH/ Gestão de Pessoas; 
  5. TI/ Informática; 
  6. Compliance/Financeiro
  7. Infraestrutura; 
  8. Jurídico
  9. Sustentabilidade 


Equipes

  • Serem os pontos focais/líderes da coordenação do programa nas localidades;
  • Dar suporte ao desenvolvimento dos grupos e exercer um papel de multiplicadores do programa e melhores práticas;
  • Passar segurança e empoderar os voluntários;
  • Ser guardião(ã) dessa política de voluntariado;
  • Exercer autonomia para gerir as ações localmente;
  • Planejar e executar as ações de voluntariado; 
  • Difundir e possibilitar o engajamento ao voluntariado na localidade; 
  • Ser ponto focal local e realizar a gestão da ação como um todo;  
  • Ser canal das campanhas corporativas; 
  • Implantar rotina com agenda de encontros periódicos (Exemplo uma reunião mensal com a  equipe de voluntários) 


  1. Sponsors (Patrocinadores)
  2. Locais: Líderes das Unidades de Negócios;
  3. Institucional:Diretor do Instituto e Presidente do Grupo CPFL.